FSG exibe documentário Infância Falada

A FSG exibe o documentário Infância Falada nesta quinta-feira, 13 de outubro, com a presença do diretor da produção, o doutor em Ciência Política Hermílio Santos, que irá participar de um bate-papo. A exibição é aberta à comunidade, com entrada franca.

O evento ocorre às 19h30, na Sala de Conferências do Prédio G (Rua Os Dezoito do Forte, 2369). Caxias do Sul será a segunda cidade brasileira a exibir o conteúdo, que já foi apresentado em Porto Alegre, Viena, Londres, e em breve será reproduzido na Polônia.

O documentário teve origem no resultado da pesquisa Infância e Violência: Cotidiano de crianças pequenas em favelas do Rio de Janeiro, Recife e São Paulo, coordenada por Hermílio Santos, professor do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da PUCRS. A produção visitou projetos sociais no Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Pernambuco e Minas Gerais para descobrir como é possível tornar crianças agentes transformadores em um cenário de violência.

infancia-falada2

O filme compreende relatos de meninos e meninas que ensinaram os pais a resolver os conflitos dentro de casa por meio do diálogo, e que sonham em levar a paz para a vizinhança com argumentos e exemplos de conduta. O Coordenador de Graduação da FSG, Prof. Marcos Paulo dos Reis Quadros, participou da pesquisa que deu origem ao documentário, iniciada em 2013. Ele explica que houve a busca pela identificação das formas de violência enfrentadas por crianças, principalmente em locais deprimidos socialmente.

O professor ressalta a importância da reflexão proporcionada pelo documentário, com função social pela interação com questões como pobreza e violência. Ele acrescenta que estudantes de duas graduações da FSG podem ser especialmente beneficiados pelo conteúdo: o curso de Jornalismo, pela contemplação de questões técnicas e o incentivo à produção acadêmica, e o de Psicologia, que conta com uma linha de pesquisa sobre a infância e pode utilizar o material, que apresenta a visão das crianças sobre a vida, o mundo e a violência, como subsídio de estudo.