Professor da FSG integra Conselho Estadual da Cultura

Quem não gosta de apreciar um bom livro, divertir-se em uma peça de teatro, assistir a uma apresentação de música ou dança, encantar-se com a arte? Em uma região repleta de diversidade, isso é possível por meio do Conselho Estadual da Cultura (CECRS), que analisa e emite pareceres sobre projetos culturais, além de atuar como órgão fiscalizador. Assim resume o conselheiro Luiz Armando Capra Filho, professor da FSG e representante das Ciências Humanas no grupo.

Capra assumiu a função durante o mês de agosto. Desde então, participa de quatro reuniões semanais em Porto Alegre, dedicando-se à análise de projetos culturais e à emissão de pareceres.

Conforme o professor, o conselho é formado por 24 pessoas, apresentadas em diferentes segmentos, como literatura, música, cinema, teatro, bibliotecas e museus. Apesar das especialidades facilitarem a avaliação dos projetos, o conselho atua de maneira integrada.

– O processo é tão vasto que ser conselheiro está acima do segmento representado. Os projetos são despachados por proximidade temática, mas o grupo de conselho é um só – explica o professor.

Conforme Capra, boa parte do trabalho se concentra na análise de projetos culturais para captação de recursos.

Os conselheiros reunidos com o governador do Estado, Sartori – Foto: Luiz Chaves

Ciências Humanas

Segundo o professor, as Ciências Humanas são essenciais à cultura, uma vez que estão vinculadas a questões de Língua, Literatura, História e Filosofia.

–  Não há como desassociar a atividade cultural das humanidades. O desafio do conselho é aproximar a cultura das instituições de ensino, especialmente as de Ensino Superior, por meio de projetos de extensão e demais atividades com os alunos – define o professor.

Sala de aula

Ter um professor atuante no Conselho Estadual da Cultura está servindo de inspiração para os estudantes.

– Os alunos ficaram muito felizes com a notícia. Trabalho com os cursos de Jornalismo e Fotografia as disciplinas de cultura, o que ganhou ainda mais sentido. Para os alunos de RI também foi muito bacana, porque leciono História Contemporânea das Relações Internacionais – explica.